NOMENCLATURA SEM... SINONÍMIA!

Todo Empírico, realmente interessado em analisar e, observar a Tudo e a Todos ao seu derredor, extraindo um conhecimento dos fatos e, eventos visados, dos quais, não teve uma equiparação didática concernente, tem que ter uma capacidade analítica desenvolvida mentalmente para não se confundir e, conseguir apreender, corretamente, o que está sob a sua visão.
As nomeações de Pessoas e, Coisas, têm recebido vocábulos com terminologia completamente diferenciadas da realidade e, sem sinonímia nenhuma com o que é nos apresentado.
No nosso planeta tem várias nomenclaturas de nomes que, quase todas as coisas, em vários lugares, têm nomes diferenciados, só conhecidos por quem, neles, habitam diuturnamente.
Uma pessoa, formada em faculdade de curso superior, pelos seus conhecimentos adquiridos na cátedra, também, às vezes, se vê em dificuldades na análise de Nomes de algo que não conhecem a origem, se isso acontece com os didáticos, imagine com os leigos, embora sejam empíricos!
Como falar até os animais irracionais o faz, vou tentar dizer, de forma resumida, porém, empírica, alguns Nomes designativos de coisas, ao nosso derredor, todavia, sem nenhuma sinonímia para tais nomenclaturas, a saber:
Alavanca; Amuleto; Aresta; Alamar; Belvedere; Borzeguim; Bordel; Bisnaga; Caçarola; Caneca; Corja; Cupim; Diácono; Dádiva; Durex; Duende; Eivar; Eito; Exangue; Espermacete; Frango; Flexa; Firula; Floco; Gupiara; Gosma; Guri; Harém; Higidez; Homúnculo etc.
Vou parar por aqui, pois, a relação é enorme! Tais Nomes poderiam ser harmonizados para, pelo menos, ser mais fácil de ser identificado para... Todos! Exemplos: Alavanca em Cavadeira; Borzeguim em Botina; Corja em Canalha; Diácono em Padre e Pastores; Eivar em Contaminar; Frango em Galo pequeno; Guri em Criança; Homúnculo em Anão, etc.
RESUMINDO: Todos os Nomes que não tenham uma relação com o que designa, deveriam ser modificados para que, o que o desconheça, possa o denominar e... Conhecer! Imaginem uma pessoa que ignore a sua sinonímia precisar de um Deles, poderiam ocorrer, dentre muitas coisas, o seguinte:
- Pedir uma Alavanca para palitar os dentes!- Solicitar um Borzeguim com arroz!- Chamar de Corja a uns devotos e/ou, diáconos!- Pedir uma Caneca para verter água. Etc.
Observação: Há tantos nomes complicados, sem nenhuma relação com o que designam que, somente, se andarmos com um bom dicionário nas mãos, alguns deles poderiam ser definidos como homogêneos com o objeto.
Sebastião Antônio Baracho.
Coronel Fabriciano-MG.

Um comentário:

birasblog disse...

t^cansado de ser enganado quer moleza toma sopa de minhoca!!!!!!!!